De olho nos olhinhos do bebê


Apesar da atenção e dedicação constantes que acompanham os bebês durante os primeiros dias e meses de vida, é possível que alguns problemas no olho do neném passem despercebidos. A dica é ficar de olhos bem abertos desde o primeiro momento em que o vê, na maternidade, e evitar que o bebê venha a ter problemas de visão.


Na sala de parto, a criança recebe a primeira ação de saúde ocular. Muitas mães desconhecem o procedimento. “Logo após o nascimento, uma gota de nitrato de prata é pingada em cada olho para prevenir doenças oculares graves que podem causar cegueira. Existem 40 milhões de cegos no mundo e pelo menos metade poderia estar enxergando se tivesse recebido socorro imediato”.


“O choro do bebê é um indicador importante. As mães sabem instintivamente que é um sinal de fome ou dor de barriga, mas também pode denunciar incômodos provocados pela conjuntivite. É comum a doença aparecer nos primeiros dias de vida. Por isso, é importante observar se os olhinhos manifestam vermelhidão”. O tamanho dos olhos e sua movimentação também devem ser acompanhados. O olhar que parece fugir naturalmente da luz pode indicar sérios problemas.


A obstrução do canal lacrimal é comum e os pais chegam a se confundir, achando graça no fato de a criança chorar sem lágrima. “O canal lacrimal leva a lágrima para o nariz. Ele pode estar entupido e o tratamento é feito com massagens e uso de colírios antibióticos. Mas o sintoma pode alertar para o tratamento de doenças mais graves”.


Manchas, sinais brancos na menina dos olhos (pupila), ou ainda se a criança estiver demonstrando incômodo na presença